As formigas surgiram há cerca de 100 milhões de anos, quando a América do Sul e a África ainda estavam unidas. Os fósseis mais antigos foram descobertos em depósitos sedimentares da Formação Santana, que fica na fronteira entre o Ceará e Pernambuco.
Todas as formigas pertencem a uma só família (Formicidae). Das 16 subfamílias, sete ocorrem no Brasil, país onde se registrou maior número de espécies. Atualmente, cerca de 10 000 espécies são conhecidas, mas acredita-se que esse número deve dobrar quando as faunas das copas das árvores e do folhiço das florestas tropicais forem mais bem estudadas.
As formigas são insetos terrestres, encontrados desde o Equador até aproximadamente latitudes de 50 graus, do nível do mar a altitudes de cerca de 3 mil metros. Elas vivem exclusivamente em colônias. A vida em sociedade possibilita o cuidado cooperativo à prole e a divisão de trabalho reprodutivo, com fêmeas férteis (rainhas) e estéreis (operárias). Em geral, as colônias são fundadas por apenas uma fêmea alada. Depois de fecundada por um ou mais machos, ela desce à terra, perde as asas e procura ou escava um abrigo, onde coloca os primeiros ovos. Em algumas espécies, as colônias são fundadas por diversas rainhas, mas apenas uma mantém o posto: a rainha vencedora repele ou mata as outras. Em colônias maduras, a população pode chegar a milhões de indivíduos.
Depois que os ovos eclodem, cabe à rainha fundadora alimentar as larvas. Para isso, ela busca alimentos ou regurgita os que estocou em seu tubo digestório. O alimento das larvas deve ser rico em proteínas, porque essa é a fase de crescimento. As larvas transformam-se em pupa e depois nascem as primeiras operárias. Então, a rainha reduz bastante suas atividades, praticamente limitando-se a botar ovos. As operárias assumem as demais tarefas: busca de alimentos, cuidado da prole, manutenção e ampliação do ninho e defesa da colônia. Depois de atingir a fase adulta, as formigas param de crescer. Por isso elas precisam ingerir açúcares apenas para repor os gastos energéticos. Ovos e pupas não se alimentam.
A maioria das espécies de formigas tem hábitos oportunistas e dieta generalista. Isso sugere uma ampla distribuição pelos ecossistemas. Entretanto, com base no conhecimento sobre os padrões de distribuição, grande parte das espécies vive em regiões restritas.

Formigas Urbanas
Estas são chamadas de formigas andarilhas (tramp species), que vivem em íntima associação com o ser humano, sendo espalhadas para outros locais pelo comércio (principalmente o marítimo). Estas causam sérios problemas em estabelecimentos comerciais e de pesquisa, residências, e principalmente em hospitais, onde funcionam como vetores mecânicos de microorganismos patogênicos.
Estas formigas possuem características que facilitam a sua dispersão e infestação, sendo elas: poliginia, reprodução por fragmentação (a cópula acontece no interior do ninho, e a colônia se divide, no qual as operárias juntamente com as rainhas fundam novos ninhos), migração (a menor perturbação - calor, iluminação, movimento e uso de inseticidas - leva as operárias a recolher os ovos, imaturos e a rainha para outros locais), unicolonialidade (ausência de comportamento agressivo entre indivíduos de ninhos diferentes da mesma espécie), agressividade interespecífica (agressividade contra outras espécies de formigas), e tamanho reduzido. A seguir, serão discutidas as principais características destas formigas.

Danos Causados ao Homem
As formigas que ocorrem em residências usam geralmente em sua alimentação o alimento desperdiçado pelos seres humanos (açúcares, bolos, bolachas, cereais, frutas, etc), que caem no chão. Além disso, outros insetos, vivos ou mortos, podem complementar a dieta.
As formigas cortadeiras impõem sérios danos à agricultura, apresentando um controle difícil e oneroso. Elas se caracterizam por cortarem as plantas e transportarem os pedaços para o interior do ninho, onde serão utilizados como substrato para o cultivo do fungo, do qual todos os membros da colônia se alimentam.
As formigas urbanas ou andarilhas vivem em íntima associação com o ser humano. Estas causam sérios problemas em estabelecimentos comerciais e de pesquisa, residências, e principalmente em hospitais, onde funcionam como vetores mecânicos de microorganismos patogênicos.

Instruções de serviço contra formigas
- Não precisa esvaziar armários;
- Afastar crianças,animais,gestantes,e pessoas idosas por um período de 6 (seis) horas; pessoas alérgicas, asmáticas, ou muito sensíveis afastar por no mínimo 24 (vinte quatro) horas;
- Limpeza com água e sabão, so devera ser feita após 24 (vinte quatro) horas;
- Não retirar os porta-iscas (pequenas caixas pretas) dos locais onde foram colocados;
- Locais com pintura e/ou sinteco recentes não poderão ser executados serviços de dedetizaçao, somente após 30 (trinta) dias.


Métodos de Controle
As metodologias convencionais de controle, através de inseticidas (aerossóis e pós secos), têm fornecido resultados pouco satisfatórios (aquisição de resistência pelo inseto, migração da colônia, e fragmentação de colônias, ocasionando em médio prazo no aumento do número de ninhos), onerosos, e extremamente nocivos tanto para a saúde humana como para o meio ambiente. Desta forma, serão tratados neste trabalho os procedimentos de controle sem substâncias químicas.

Formigas urbanas - Os três fatores básicos que levam a qualquer praga urbana a invadir uma residência são: alimento, água e locais para construção de ninhos. Assim, a limpeza dos ambientes (por exemplo, restos de alimento derrubados no chão), e a remoção de entulhos deve ser feita de maneira constante. Além disso, a eliminação das cavidades, que poderiam servir como ninhos, e a sua correta vedação podem diminuir a quantidade de formigas. No momento em que um ninho for encontrado, proceda para a sua destruição mecânica (por exemplo, os ninhos no solo de Solenopsis sp. são eliminados pelo uso de água quente).
Atualmente no mercado mundial, podem ser achadas duas novas formas de combate a estas formigas: iscas atrativas, e os reguladores de crescimento e esterilizantes de rainhas. As iscas atrativas, apesar de interessantes pela sua ação específica e localizada, apresentam muitos problemas, tais como: ingredientes ativos inadequados, baixa atratividade, repelência (no caso, o porta-iscas), e a ação de contato (dificulta a distribuição para toda a colônia). Enquanto isso, os reguladores de crescimento e esterilizantes de rainhas, agem respectivamente, sobre o desenvolvimento larval e na postura da rainha, acarretando na interrupção da formação de novas gerações. Ainda, não apresentam nenhum efeito sobre os vertebrados e são degradadas rapidamente quando expostas ao ambiente. O inconveniente da utilização destes compostos é o tempo que leva para a eliminação da colônia, de 15 a 20 semanas.


Utilizamos um gel isca específico para controle de formigas. Esse gel é aplicado em armários, frestas e trilhas com a finalidade de atrair as formigas e, conseqüentemente, matá-las por ingestão. O mesmo pode ser aplicado em pequenos porta-iscas colocados de forma a não comprometer a estética. Inseticida na forma líquida é aplicado em rodapés por onde as formigas transitam e, por este motivo, pedimos o afastamento de crianças, animais e pessoas idosas, por período de 6 horas, e pessoas muito sensíveis ou asmáticas, por 24 horas.